dd

O EFEITO DESMOULLINS

Cássio Guilherme

Nesse artigo, vamos contar a História de um personagem muito pitoresco que viveu no período efervescente da Revolução Francesa. Trata-se do jornalista Camille Desmoullins, que apaixonado por um ideal, imaginando trilhar apenas o caminho da honra e da liberdade, encontrou-se cara a cara com a realidade mais cruel da existência de um indivíduo: descobrir que a luta de uma vida inteira por um objetivo era na verdade parte de uma farsa arquitetada para enganar as pessoas. Essa História vai nos ajudar a entender uma outra grande farsa: A idéia desenvolvida por Marx de se buscar um socialismo utópico, uma igualdade entre as pessoas, idéia essa que escondia na realidade um intento diabólico de enganação.

Camille Desmoullins nasceu em 02 de março de 1760. Sempre foi aluno brilhante e tinha o objetivo de se tornar advogado e se deliciava com a leitura de vários livros. Vivendo num país monárquico, sonhava com a liberdade e construía ideais revolucionários em seu coração. Convivia com a miséria e analfabetismo do povo francês e também com a ostentação luxuriante dos nobres da França do Séc XVIII. Foi morar em Paris e lá passou a ter contato com várias pessoas, filósofos e professores, que formavam uma base de contestação ao regime vigente. Desmoullins foi contemporâneo das grandes transformações de seu tempo e viveu o calor das revoluções. Acompanhou praticamente todos os acontecimentos que culminaram na revolução de 1789. Era um jovem ardente e sonhava com o poder distribuído para todo povo, almejava a distribuição de riquezas e muito se esforçou para insuflar a população contra o regime. Adquiriu com muito sacrifício uma pequena gráfica que distribuía jornais incentivando todos a aderirem à revolução e fazia discursos inflamados agitando as massas. Presenciou ofegante a Queda da Bastilha e na época começou a editar o jornal: “ Révolution de France et Brabant”, que narrava todos os fatos daquele período. Acreditava piamente no espírito revolucionário do povo e no poder das massas, enxergando naquela agitação toda uma união popular contra a tirania. Era amigo pessoal de Danton e Robespierre e fazia parte do clube dos Jacobinos.

Entretanto, essa apoteose de idealismo começou a ruir para Camille Desmoullins. Após a revolução total e a chegada dos Jacobinos ao poder, Camille começou a perceber que algo estava errado. A brutalidade dos Jacobinos passou a não ter limites e várias pessoas foram condenadas à guilhotina sem julgamento. O rei Luis XVI e Maria Antonieta foram degolados e seus filhos de 9 e 11 anos foram encarcerados sumariamente. Desmoullins também percebeu uma coisa terrível: não fora realmente o povo que fizera a revolução, mas na verdade um grupo de novos-burgueses, que interessados na queda do poder monárquico, derrubaram o regime travestidos de revolucionários do povo. A decepção de Camille ao ser obrigado a encarar essa verdade foi como que uma flecha transpassando seu coração. Teve que infelizmente encarar a pior realidade que um homem pode encarar: a de concluir que sua ideologia, pela qual lutou e viveu toda uma vida, era na verdade uma farsa torpe, uma armação orquestrada por grupos que se faziam passar de pobres e oprimidos, mas eram os próprios algozes do povo e co-partícipes da tragédia que devorava a França por longa data. O próprio Camille Desmoullins, um dos mais ativos defensores da revolução, foi condenado à guilhotina e executado em 1794 por seus supostos “ companheiros da causa revolucionária”.

Essa História triste é semelhante a uma outra que há várias décadas contamina as mentes e os corações de vários jovens mundo afora. É semelhante à pregação do socialismo utópico de Marx, com sua fundamentação revolucionária de ideologia da igualdade e da distribuição equânime de rendas, idéia que a princípio contamina as pessoas a se engajarem nessa luta por um mundo melhor. O que esses revolucionários não percebem a priori, assim como Desmoullins, é que essa singela tese socialista esconde na verdade os interesses dos próprios dominadores das riquezas e do Capital, que visam à perpetuação execrável de suas benesses e privilégios. Marx era na realidade um apóstolo do Capital, que travestido de revolucionário, tinha a missão de confundir os operários quando de suas lutas com os patrões. Senão vejamos: Nos países onde ocorreram revoluções comunistas e o poder foi usurpado, o que aconteceu? Uma minoria tomou o controle da situação, apoderou-se das riquezas do Estado, massacrou milhões de seres humanos e os idealistas que sonharam com as falsas premissas do socialismo, terminaram seus dias ou na prisão ou debaixo da terra.

É justamente essa a cara do socialismo marxista: um conjunto de idéias mirabolantes e mentirosas que servem na verdade para enganar as pessoas e perpetuar o poder de uma pequena classe dirigente, tudo com legitimidade e esperanças fantasiosas de liberdade e igualdade. Por isso todos sabemos que o comunismo nada mais é do que o capitalismo travestido de revolucionário popular. Que horrível semelhança com a História de Desmoullins.