dd

Rede Globo, Jorge Kajuru e a CBF

11 de setembro. Eu estava assistindo à televisão, especificamente programas sobre os atentados contra os EUA, mostrando matérias em que colocavam os ianques em posição de vítimas quando, de repente, uma outra discussão muito mais produtiva e pertinente aos interesses nacionais era transmitida no SBT. O entrevistado era Jorge Kajuru, polêmico jornalista esportivo.
Mais uma vez, ele demonstrava o seu ótimo caráter e ética profissional, dignos de serem enaltecidos. Pessoas como ele, que não temem denunciar grandes meios de comunicação e pessoas de falso prestígio, devem ter seu mérito reconhecido em canais de informação como o nosso, que tem compromisso com a verdade.
O Kajuru fazia uma crítica a CBF, até então nada de anormal. O que despertou o meu interesse, porém, foi quando ele citou a Rede Globo, e registrou uma denúncia que eu classifico como, no mínimo, alarmante. Segundo ele, a Globo passou a ter uma relação harmoniosa com o presidente da CBF Ricardo Teixeira após ter feito acordos de monopólio de transmissão dos jogos e acertou a cota a ser repassada aos clubes, que têm direito a uma parte dos ganhos das emissoras. O fato é que outras redes como a Band, a Record e o SBT também tinham feito propostas para obter os direitos de transmissão, e em alguns casos estas propostas eram até
melhores ($$) que a da Globo. O que levaria, então, o presidente Ricardo Teixeira a acertar com a Globo em condições que claramente beneficiavam essa emissora, em detrimento dos clubes, que poderiam ter um maior repasse de dinheiro se mais emissoras comprassem os direitos de transmissão ? Mais uma vez os interesses autocráticos mostraram-se presentes.
Devemos nos lembrar que até algum tempo atrás, a Globo fazia escandalosas denúncias contra Ricardo Teixeira. Essa seria, portanto, a moeda de troca deste acordo nefasto acertado entre a Globo e o presidente da CBF. Ficaria estabelecido que não mais seriam feitas reportagens a respeito das "maracutaias" de Teixeira.
Para quem já conhece a política da Rede Globo, não é tão surpreendente o fato acima citado. Muitos são os casos similares a esse. É vital que sejam desmascarados aqueles que traem os interesses da pátria e demonstram conduta perniciosa. O que não se pode deixar de imaginar é quantas outras vezes a sociedade já não deve ter sido prejudicada por esses tipos de acordos elaborados pela Globo, o maior canal de comunicação do país. Como diz minha avó: "cesteiro que faz um cesto faz um cento".

Antonio, estudante e patriota, 17 anos, líder da Juventude Integralista