OS MOVIMENTOS “ FASCISTAS” PELO MUNDO

 

REPORTAGEM ESPECIAL

 

                        É de conhecimento de todo o Historiador sério e de todo pesquisador de fatos históricos não preguiçoso, de que a mídia vem distorcendo vários acontecimentos desde o fim da Segunda Grande Guerra. Nos últimos 60 anos as Grandes Redes de Comunicação, completamente dominadas pelo Capital Financeiro Internacional, escondem ou tentam esconder do público em geral fatos ocorridos antes da década de 40. Um desses fatos foi a existência de inúmeros Movimentos Nacionalistas e Espiritualistas que eclodiram em vários países do Globo, Movimentos ditos “ de direita” ou “ Fascistas”.

                        Mais uma leviandade da “ História Oficial” é tachar de fascistas apenas o Nacional Socialismo Alemão ( Nazismo) e o Fascismo Italiano. Entretanto, baseados no monumental livro do Grande Escritor ex-Presidente da Academia Brasileira de Letras Gustavo Barroso, intitulado “ O Integralismo e o Mundo”, podemos observar o quão diversificados foram os Movimentos Nacionalistas na década de 30. Esse livro é raríssimo de se encontrar, com certeza as Editoras Modernas, completamente amordaçadas pelo “ politicamente correto” e a “ Inquisição dos Donos do Mundo” não publicam esses textos de Gustavo Barroso.

 

Livro de Gustavo Barroso,

“O Integralismo e o Mundo”

 

                        Como reação natural ao materialismo ateísta e ao internacionalismo dissolvente, em todo mundo, constituíram-se Movimentos baseados em idéias que se inspiraram nas místicas culturais e nacionalistas. Esses Movimentos tinham especificidades próprias, mas se assemelhavam em vários pontos, tais como:

                        1 – Combate fervoroso ao Capitalismo Financista e ao Comunismo Ateísta, vistos doutrinariamente como Movimentos criados pelo Judaísmo Internacional, depois chamado de Sionismo.

                        2  - Valorização das Culturas e Valores Sociológicos de cada Nação.

                        3 – Combate a usura e a exploração dos banqueiros internacionalistas.

                        4 – Crítica ao Sistema da Liga das Nações como representante de um grupo único, no caso o Sionismo Internacional.

                        5 -  Valorização do Estado Corporativo em contraposição ao Estado Liberal incompetente e corrupto.

                        6 -  Valorização do Coletivo em contraposição ao individual e egoísta.

                        Em diversos países eclodiram Movimentos com essas característas. Uns mais de caráter espiritualista, como no caso do Integralismo Brasileiro, outros étnicos como o Nazismo e outros ainda de caráter fundamentalistas como o Fascismo Afegão. Abaixo, resumo desse principais Movimentos:

 

                        Na Itália, o Fascismo comandado por Benito Mussolini, camisas-negras.

 

                        Na Alemanha, o Nacional-Socialismo, ou Nazismo, tendo como Comandante o ex-Cabo do Exército Alemão Adolf Hitler, usavam camisas-pardas.

 

                        No Afeganistão, as Ligas Nacionalistas Afegãs.

                        Na África do Sul, os Camisas Cinzentas.

                        Na Argélia, os Camisas-Verdes.

                        Na Argentina, a Legião Cívica comandada pelo General Argentino Fasola Castano. Também o grupo Revulsion e o Acionalismo Corporativo.

                        Na Áustria, o Nacional Socialismo Austríaco.

                        Na Bélgica, os Capacetes de Aço e os Rexistas comandados por Leon Degrelle.

                        Na Letônia os Peskonkrusts anti-soviéticos.

                        Na Finlândia, os Guardas Brancas.

                        Na Bulgária, os Nacionalistas de Muchakov.

                        No Canadá os filiados ao Partido Nacional Social Cristão comandados pelos srs. Adrien Arcand e Joseph Menard.

                        Na Checoeslováquia, os Fasistické Listy, camisas negras.

                        No Chile, a Milícia Nacional Chilena.

                        Na Espanha, a Falange Espanhola de José Antônio Primo de Rivera.

                        Nos Estados Unidos, os Camisa-Káki na Filadélfia, comandados pelo Deputado Mac Fodder e o General Smedley. Também os White-Shirts ou “ Cruzados da Liberdade”, comandados por George Christians. E ainda os Silver-Shirts, ou Camisas-Prateadas, de Oklahoma, Utah, Carolina do Norte, comandados por Wiliam Dudley Pelley, violente anti-semita norte-americano. E por fim, os Guardas-Nacionais de Nova York e Chicago.

                        Na França, a Action Française, comandada por Charles Maurras e Jean Moreas. Existia ainda a Croix de Feu, ou Cruz de Fogo, comandados pelo Coronel De La Roque. Também a participação decisiva do Grande Escritor Leon de Poncins, autor da Obra de Referência Universal: “ As Forças Secretas da Revolução”, que desmascara a Revolução Russa e o patrocínio dos Banqueiros Internacionalistas aos Movimentos Comunistas.

                        Na Holanda, o Partido Nacional Socialista Holandês, com sede em Utrecht.

                        Na Hungria, o Movimento Fascista Húngaro do Almirante Horthy, que ajudou a depor o carniceiro judeu Bela-Kun que matou mais de 150.000 húngaros até 1929.

                        Na Inglaterra, o Fascismo Inglês comandado por  Sir Oswald Mosley Camisas Pretas.

                        Na Irlanda, os Camisas Azuis, comandados pelo General O’Duffy.

                        Na Iugoslávia, a Orjuna, ou Movimento Fascista Iugoslavo.

                        No Japão, O Integralismo Japonês comandados pelo Deputado Matsuoka.

                        No México, os Camisas-Douradas. Existiu também a Ação Revolucionária Mexicana, comandados pelo Presidente Rodriguez e o General Aaron Saez.

                        No Peru, o Aprismo, ou Movimento Cultural Peruano, comandados pelo escritor Haya de La Torre.

                        Na Polônia, os Camisas-cor-de-Cereja, ou Partido Nacional Socialista Polonês, N.S.P.R.

                        Em Portugal, o Integralismo Lusitano, fundado pelo escritor Antônio Sardinha.

                        Na Romênia, o Partido Nacional Cristão e a Guarda de Ferro, comandadas por Corneliu Codreanu.

                        Na Rússia os Neo-Fascistas, ou Isvestia, que lutavam contra os Sovietes e o Politburo.

                        Na Suécia, os chamados Nazis-Brancos anti-semitas.

                        Na Suíça, os Frontistas, que lançaram o Manifesto de Lugano de 1935, sob o comando de Leonhardt

Na Turquia, o Partido Fascista Turco de Mustafá Kemal

No Uruguai, o Nacionalismo Celeste de Ernesto Bauzá e Teodomiro Varela.

                        No Iraque, as Frentes Fascistas dos militares Selim Hesun Bey e Abdul-Gafur Chaldji.

                        Na Austrália os Colonos Nacionalistas de Gustav Benn. E a New Guard sobre o Comando de Eric Campbell, com sede em Winnipeg.

            E por fim, o Integralismo no Brasil, o maior Movimento de Massas da História brasileira, que reuniu mais de 1 milhão de adeptos, sob o Comando do escritor Plínio Salgado, e tendo milhares de figuras de projeção da Sociedade Brasileira. O Integralismo era um Movimento essencialmente espiritualista, o que o diferenciou de outros Movimentos ditos “ Fascistas”. A base doutrinária do Integralismo Brasileiro apresenta uma inegável superioridade aos outros Movimentos ditos fascistas. A proposta do Estado Integral contemplava um Estado Forte, porém democrático; uma participação popular efetiva; uma formação moral e espiritual do cidadão e uma Estrutura Corporativa de Governo, mais avançada do que a proposta Fascista na Itália.

           

              Observação:   O Franquismo na Espanha, o Salazarismo em Portugal, o Peronismo na Argentina e o Getulismo no Brasil não podem ser considerados Movimentos Fascistas pelas suas características dúbias com relação ao Grande Capital Financeiro Internacional.

 

               Você aprendeu isso na Escola??

 

 

 

 

Sir Oswald Mosley, líder dos Camisas Negras na Inglaterra

Leon Degrelle, líder dos Rexistas na Bélgica

Corneliu Codreanu, líder da Guarda de Ferro na Romênia

José Antônio Primo de Rivera, líder da Falange Espanhola.

Antônio Sardinha, líder do Integralismo Lusitano.

Charles Maurras, líder da Ação Francesa.

 

                             

                       

                       

dd